9 de set de 2010

O HOMEM QUE TINHA CIÚMES DA TELEVISÃO



Ciúme, o inferno do amor possessivo, como naquele filme francês. Ciúmes, ciúmes de você, como na lírica do Rei Roberto.

Já vi de quase tudo em matéria de barraco. Vi, vivi, e confesso que bebi e quebrei, controles remotos, óculos no teto, como um castigo imposto pelos deuses gregos... ceguei-me, celular no mato, sapatos aos mares, Iemanjá, por favor devolva-me, amém. Tenho ciúmes até, da roupa que tu vestes”, como na canção das antigas.

Mas, distintas damas & cavalheiros, nunca tinha visto nada comparável ao ciúme do nosso Maria, Antônio Maria, pernambucano, letrista, radialista, narrador de futebol, melhor cronista brasileiro sobre o amor de todos os tempos.

Da turma rara dos passionais MC _Mestre de Cerimônias do amor de muito, do amor demais.

Rubem Braga era grande, mas perdia tempos com sabiás, Maria não, ia direto às duas coisas que interessam na curta existência: a boemia e as mulheres.

Nem se compara: Maria melhor que Braga, mesmo sem querer entrar nessas ondas.

Maria morreu disso.

De tanto amar.

Tinha ciúmes até da televisão, como conta Danuza no seu livro de memórias, “Quase tudo” _imagina se tudo fosse mesmo contado?!.

Achava que os atores ou apresentadores estavam a flertá-la. Tinha ciúmes dele mesmo, da própria sombra rechonchuda, mais de 100 kg de sentimentalismo, lirismo a correr nas veias carregadas de álcool, possessividade e colesterol.

Nunca houve um homem como Antônio Maria.

Nunca se sabe por qual motivo uma mulher deixa um mancebo por outro. É algo mais misterioso do que a Santíssima Trindade, os milagres de Fátima e o boato da cheia de Tapacurá, a barragem que abastece o Recife, que fez da cidade o mesmo efeito Orson Welles da invasão fictícia de Vênus à terra.

Nunca se sabe por qual motivo uma mulher deixa um homem por outro. Pode ser por qualquer coisa. O mais são teses e objetos pontiagudos que o destino parafusa nas nossas testas.

Ah, as dores do mundo.

E o velho Maria morreu de quê?

Do coração, claro, pouco mais de quarent´anos. E digo mais: ninguém morre do coração por problemas congênitos ou falta de regulamentos, como chegaram a dizer à época.

Só o amor de verdade mata um homem forte como aquele. Gordura e estrago nunca matou ninguém nessa vida, o mais são frios, discutíveis e garranchosos diagnósticos médicos sobre a fria laje final da existência.








Nenhum comentário: